Notícias H2.3

Ver todas

  • Alzheimer: Vitamina D diminui riscos das mulheres padecerem da doença indicam estudos

    Duas pesquisas realizadas em França e nos EUA associam uma redução da vitamina D a um aumento, por parte das mulheres, de padecer de doença de Alzheimer.

    Um dos estudos, da autoria do Hospital Universitário de Angers, localizado em França, avaliou dados de mais de 500 mulheres. De acordo com os dados recolhidos pelos investigadores, as mulheres que desenvolveram a doença de Alzheimer ingeriram, em média, 50, 3 microgramas daquela vitamina, por semana. Já as mulheres que padeceram de outros tipos de demência apresentavam um consumo de vitamina D diário muito superior: 63,6 microgramas por semana.

    Ainda segundo esta pesquisa, orientada por Cedric Annweiler, as mulheres que permaneceram saudáveis até fases avançadas da sua vida apresentavam valores de vitamina D muito perto dos 60 microgramas. Estes dados levaram os investigadores a associar a ausência de Alzheimer a um aumento da toma da vitamina.

    Conclusão idêntica retiraram investigadores norte-americanos do VA Medical Centre, dos EUA. Numa pesquisa semelhante, verificou-se que as mulheres que padeceram de algum tipo de doença cognitiva apresentavam menores quantidades desta vitamina.

    No caso das mulheres que apresentavam níveis de vitamina D abaixo dos 20 nanogramas por mililitro de sangue, as possibilidades de padecer de doenças degenerativas como Alzheimer eram superiores.

    As duas pesquisas apresentavam pontos em comum e complementam-se, sendo que o denominador comum é a sugestão de aumentar o consumo de vitamina D, por via da alimentação, ou através de uma exposição solar regrada. As duas pesquisas mereceram honras de publicação no Journals of Gerontology.

    Recentemente, um estudo português permitiu descobrir uma variante de um gene, responsável pelo aumento do risco de padecer de Alzheimer. "É uma das mais influentes descobertas dos últimos vinte anos", salienta Rita Guerreiro, um dos investigadores lusos.

    Outro estudo, divulgado no Dia Mundial da Pessoa com Alzheimer, associa o consumo de café a uma redução dos riscos de Alzheimer.